Não é novidade brasileiro se mandar para a Europa. Mas nos dois últimos anos virou uma febre. Oficialmente, 40 mil tiveram autorização para morar e trabalhar por lá
A invasão de brasileiros a Portugal. Mais de 100 mil já conseguiram visto no país

Os números são do relatório anual do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) português, órgão responsável pela imigração no país.

Em 2018, o governo lusitano foi extremamente generoso com os pedidos. Mais de 28 mil imigrantes tupiniquins arrumaram as malas e atravessaram o Atlântico. Apenas nos quatro primeiros meses foram concedidas 17 mil autorizações de residência.

As concessões cresceram 23,4% em relação a 2017. O fenômeno registrado nos dois últimos anos mostra uma espantosa explosão de pedidos de vistos. É um cenário bem diferente do que se viu no início da década. De 2011 a 2016, os números apresentaram quedas constantes nos pedidos de títulos de residência por parte de brasileiros.

Quem larga tudo para trás e vai para Portugal, especialmente em busca de emprego, encontra um terreno fértil para atuar, principalmente, no setor de serviços. A atividade turística é um bom exemplo.

Há três anos os portugueses são imbatíveis no concurso de melhor destino europeu no World Travel Awards, uma espécie de Oscar do turismo mundial, e com a mão de obra escassa nessa área os brasileiros estão se dando bem.

De acordo com o SEF, a maioria dos imigrantes obtém o visto de residência graças a contratos de trabalho ou por reagrupamento familiar - quando um dos familiares já tem direito de residir em Portugal.

Mas, foi o tempo em que apenas a busca por empregos arrastava estrangeiros para Portugal. A grande novidade entre os novos forasteiros são os aventureiros que se mudam com dinheiro para investir em negócios e imóveis.

Se os franceses ainda aparecem em primeiro lugar como os que mais apostam no mercado lusitano, os brasileiros já predominam os investimentos nas cidades de Lisboa e do Porto. O levantamento foi feito pela Associação de Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal.

O fenômeno chama tanto a atenção que a imprensa local apelidou Lisboa de a "nova Miami" dos brasileiros.

O "paraíso" também cobra um preço alto. Quanto mais cresce a estatística de brasileiros em terras lusas, mais se ouve falar de discriminação, a tal xenofobia. Todo dia tem alguém fazendo uma denúncia. Um relatório recente da Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial, a CICDR, mostra que o número de casos quase dobrou no ano passado.

Segundo o órgão de prevenção e combate às práticas discriminatórias no país, as queixas por discriminação étnica e racial contra estrangeiros cresceram 93,3% em 2018. Quando o assunto é reclamação por parte de brasileiros, o cálculo é ainda mais estarrecedor, e chegou em 150% em 12 meses em comparação ao ano anterior.

 

Quantos somos e os barrados

 

Afirmar com precisão quantos brasileiros, hoje, moram em Portugal é tarefa impossível. Se os registros oficiais apontam a existência legalizada de 105.423, de acordo com o SEF, por outro lado, ninguém consegue imaginar a quantidade dos imigrantes ilegais. Além desse percentual obscuro, tem ainda os que conseguiram dupla cidadania portuguesa ou de outro país da União Europeia.

Também não dá para pensar que qualquer brasileiro consegue se mudar com extrema facilidade para Portugal. Todos os anos muitos dão com a cara na parece e precisam voltar para casa depois de desembarcar no aeroporto de Lisboa. Em 2017 foram 1.336. No ano passado, 2.866. O aumento foi de 114,5%.

Mesmo assim, nunca tantos imigrantes de diversas partes do mundo conseguiram se estabelecer por lá. O SEF estima que cerca de 480 mil estrangeiros vivem atualmente no país, o que representa uma alta de 13,9% em relação a 2017. É a maior quantidade já computada desde 1976, quando começou a entrada de gringos em Portugal.

A explicação para que os números, antes inimagináveis, atingissem esse patamar está na nova política portuguesa. O governo decidiu facilitar, aos poucos, os processos de legalização para imigrantes que estejam inseridos no mercado de trabalho.

Outro fator que provocou um aumento acentuado na procura por passaporte português foi a mudança na lei de nacionalidade em vigor desde 2017. A nova legislação estendeu para netos de portugueses o direito à chamada nacionalidade de origem, que permite "mais benefícios" do que a cidadania por naturalização que existia anteriormente.

Para se ter uma ideia da diferença que a medida fez, no último ano o número de estrangeiros que conseguiram se legalizar aumentou 385%. Isso em comparação com 2017. Foram emitidas 16,5 mil autorizações de residência, contra 3.403 no ano anterior. De novo, os brasileiros foram os mais contemplados.

 

* a foto da capa, do site Pixabay, é meramente ilustrativa.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para A invasão de brasileiros a Portugal. Mais de 100 mil já conseguiram visto no país

Enviando Comentário Fechar :/