Sem paciência jogadores, treinadores, dirigentes e torcedores colocam em xeque a credibilidade das arbitragens no futebol brasileiro
Arbitragem: ruindade ou suspeita

Se a fragilidade da arbitragem irrita a qualquer torcedor imagina a quem vive de futebol? Tem erros que são tão grosseiros que vira e mexe árbitros e assistentes tem suas credibilidades questionadas. 

O torcedor, que é muito mais paixão do que racionalidade, não pensa dois segundos para disparar uma metralhadora de palavrões. Ok, é assim mesmo desde que a bola começou a rolar. Tem exageros, agressividade desmedida, apelação... um comportamento que não vai mudar nunca. 

Já para dirigentes, treinadores e jogadores um simples erro de um lance mal apitado pode representar o fim de um trabalho que dura meses, as vezes anos e até décadas. Quer ver uma situação que mostra bem que não é um exagero falar assim? 

Na Copa do Mundo de 86, realizada no México, a Inglaterra buscava recuperar a hegemonia do futebol mundial depois de 20 anos. A única conquista dos britânicos tinha sido em casa em 1966. O tempo passou e 5 Copas depois a turma da Rainha corria firme em busca do bicampeonato quando se deparou com a Argentina na semifinal. O jogo foi nervoso, chances para as duas seleções e nada da bola entrar. Aí Maradona, que nunca foi um jogador "santo", pelo contrário, daqueles que pensam que para vencer vale tudo, inclusive dar água com sonífero para adversário, bancou o malandro e fez um gol com a mão. O lance se tornou emblemático entre os mais irregulares na história das Copas e foi batizado pelo próprio jogador como  "a mão de Deus". 

Os ingleses espernearam, cercaram o juiz, fizeram de tudo para o homem do apito invalidar o gol, mas nada convenceu o juiz a rever sua decisão. A jogada é tão bizarra que chega a ser difícil acreditar que ninguém do trio de arbitragem tenha visto a irregularidade. 

A Argentina saiu de campo no final dos noventa minutos com a vitoria por 2 a 1 e dois jogos depois se tornou a campeã do mundo. 

A Inglaterra até hoje chora o lance e ainda continua sem o desejado bi, enquanto aqueles jogadores e o técnico de 86 deixaram de entrar para a história, perderam prêmios e prestígio que renderia a todos contratos excepcionais. 

Por aqui é igual. Desde que Charles Miller trouxe uma bola para o Brasil e organizou uma pelada com vinte e dois homens que mal sabiam chutar uma pelota quase todo “match” tem um monte de reclamação por causa de erros dos árbitros. 

E nessa história todo mundo já viveu os dois lados da moeda. Qual é o time que nunca foi beneficiado ou saiu de campo derrotado por causa de um equívoco de arbitragem? Absolutamente todos. O problema é que alguns se sentem perseguidos, enxergam conspiração e complô para não chegarem aos títulos. Na outra via tem clubes que parecem "ajudados" com frequência, no que se convencionou chamar de apito amigo. Essa algazarra acaba levando muito dirigente a viver com a boca no trombone esbravejando. A verdade é que quem chora hoje, amanhã também se beneficia com alguma trapalhada de árbitro. 

Essa seria a conclusão mais simples se as arbitragens não tivessem errado tanto nos últimos tempos, bem acima do tolerável, o que acaba trazendo suspeitas ainda maiores para o esporte. 

Para reforçar a teoria dos que desconfiam de tudo, infelizmente, o futebol mundial andou manchando a sua reputação com diversos escândalos que vão desde dirigentes que fazem negócios suspeitos nas contratações e venda de jogadores aos megas negócios de compra de votos para definição de país sede de Copa do Mundo. Nem a FIFA escapou de ser acusada e viu seus mafiosos gestores serem banidos do futebol. 

A lista dos que receberam cartão vermelho atinge até os próprios árbitros. Quem não se recorda da “fabricação” de resultados no Brasil para contemplar ganhadores de uma loteria clandestina que acabou desmascarando o juiz Edílson Pereira de Carvalho? Na Itália a manipulação de resultados, que vira e mexe é revelada em denúncias, já atingiu clubes de quase todas as séries e treinadores. 

Diante de tanta falcatrua o torcedor pode até questionar a lisura de um simples jogo de futebol, mas é preciso continuar acreditando que são os verdadeiros craques que realmente decidem o maior espetáculo da terra. Se não for assim, não demora muito para ser decretada a falência do futebol.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Arbitragem: ruindade ou suspeita

Enviando Comentário Fechar :/