Cuidado para você não cair nas armadilhas das empresas que anunciam promoções de araque
Cuidado: Black Friday ou black fraude?

A mega liquidação começou um mês antes do dia marcado para o grande queimão. Desde o final de outubro tem muita loja fisgando consumidor com o anúncio de preços reduzidos. Se você está na paquera de algum produto é bom se controlar com a tentação da primeira oferta. Tem empresa que primeiro reajusta os valores para cima e depois reduz para falar que deu desconto. Esse tipo de pegadinha já derrubou muita gente do cavalo. A recomendação é pesquisar bem antes de colocar a mão no bolso.

A Black Friday não é a época do ano em que as empresas mais faturam no Brasil. As vendas de Natal ainda são as campeãs, mas o que o comércio lucra não é pouca coisa, não. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônicos a expectativa de venda é de 2 bilhões e 870 milhões de reais. Poderia ser bem maior se a maioria dos estabelecimentos comerciais aderisse a onda da queima de estoque. Por aqui, apenas 16% das lojas brasileiras participam das promoções, segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. 

O tradicional dia de "Black Friday" ou "Sexta-Feira Negra" surgiu nos Estados Unidos por causa de uma crise econômica. No dia 24 de setembro de 1869, uma sexta-feira, dois investidores de bolsa de Wall Street fizeram várias tentativas para tomar o mercado de ouro. O governo resolveu intervir para impedir a estratégia dos especuladores Jay Gould e Jim Fisk e aumentou a oferta da matéria prima no mercado. O resultado foi que os preços caíram e muita gente quebrou, perdendo fortunas. Ou seja, foi um fracasso financeiro que deu origem ao apelido, e não a criação de um dia de vendas com promoção, como se poderia imaginar. 

Outros dois episódios seriam necessários para que o apelido virasse a tradição do dia de compras com descontos. O primeiro remonta a 1941 quando os americanos fixaram o dia de “Ação de Graça” na quarta quinta-feira de novembro, que é um feriado nacional. Quando o comércio reabre na sexta-feira começa oficialmente a temporada de vendas para o Natal com uma correria as lojas.  

Mas só na Filadélfia existia a queima de saldos. Desiludidos com o ano ruim de vendas, os comerciantes abriam as lojas na tal sexta-feira com a esperança de recuperar as perdas e baixavam os preços de tudo. Em 1961, os policiais responsáveis pelo controle do tráfego e cansados com tamanha confusão nas ruas causada pela correria dos consumidores, também chamaram aquele dia de uma sexta-feira negra. Aí pegou. 

 

Cuidado: Black Friday ou black fraude?Black Friday nos Estados Unidos na década de 60

 

O fenômeno se espalhou pelo restante do país na década de 70 e chegou a outras nações. Historicamente se fala que Canadá e México, os vizinhos mais próximos dos Estados Unidos, foram os primeiros a embarcar na onda. Os mexicanos chamam de "El Buen Fin", ou "Bom Fim de Semana". No Brasil a data foi adotada só em 2010 e vem crescendo ano a ano. Crescendo muito. De 2012 para 2013 as vendas aumentaram mais de 300%.

No ano passado o país registrou um faturamento de cerca de R$ 2,1 bilhões só nas vendas pela internet, chamadas de e-commerce, uma alta de 10,3% em comparação a 2016. Aliás, as vendas pela internet se tornaram as mais expressivas. 

Mas se o consumidor gastou mais, ele também investiu menos nos produtos. Vamos à explicação. De acordo com a Ebit, a compra média do brasileiro caiu 3,1%, de R$ 580 para R$ 562. Os produtos mais consumidos foram os equipamentos eletrônicos e eletrodomésticos. 


2018 - já começaram as promoções

 

A queima de saldos no Brasil não fica mais restrita apenas a quarta sexta-feira de novembro. Algumas empresas têm antecipado o período de promoções em até um mês. Você provavelmente já recebeu e-mail de algumas grandes redes te oferecendo produtos. Então, fique esperto para essas dicas e informações.

Para os comerciantes a promoção que eles fazem agora, além de aumentar o caixa, tem ainda a oportunidade de liberar os estoques para as vendas de Natal. Uma das formas das empresas oferecerem vantagens para o consumidor é fazendo parcerias com os fornecedores. Mas nem todo dono de negócio se atira na baixa das etiquetas. 

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e o SPC divulgaram que no setor de serviços apenas 5,7% declararam que vão participar. Os descontos devem  ter uma média de 28,8%. Uma faixa de 20% das lojas preveem descontos entre 41% e 50%. O percentual de comerciantes que querem se desfazer de estoques encalhados é de 19,4%. E vão apenas oferecer brindes nas compras, mas nada de desconto, cerca de 16%.

Por outro lado, o consumidor tem bons motivos para desconfiar da honestidade das ofertas. Nos anos anteriores muitos comerciantes aumentaram com antecedência o preço de suas mercadorias para no dia da Black Friday oferecer o mesmo produto com desconto. A tal falcatrua acabou apelidada nas redes sociais de "Black Fraude". 

Essa armadilha é chamada de maquiagem de preços. Ainda bem que o brasileiro está cada vez mais consciente e cético com o que vê. Uma pesquisa revelou que 42% da população desconfiam dos anúncios. 

Mas também existem formas de você se prevenir para não cair em uma roubada. A mais eficiente está na pesquisa de preços. Como ainda falta mais de uma semana (a Black Friday vai ser no dia 23), procure agora pelo produto que você quer na internet e veja o valor que estão pedindo. Faça isso em pelo menos três sites. No dia da promoção você vai saber se realmente o preço estará valendo a pena. 

Existem também sites que trazem uma relação com as empresas que não são confiáveis. O do Procon de São Paulo é um deles. 


http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php

 

As vendas pela internet tem sido as mais vantajosas e devem ter prioridade em muitos casos. Fique bem atento ao horário que os sites abrem as compras porque os estoques podem ser limitados. As empresas normalmente deixam no anúncio o número de peças que possuem. 

O último ponto desse texto é sobre a ansiedade e o desejo do consumidor. Especialistas lembram sempre para a gente tomar cuidado com as ofertas que parecem muito boas, mas pesam no orçamento. E tome cuidado quando estiver navegando em um site. Você pode ser induzido a comprar mais do que precisa, normalmente no cartão, e depois fica com a fatura muito alta. O seu bolso deve ser mais importante do que o seu desejo.

No mais, boas compras.

 

Cuidado: Black Friday ou black fraude? Loja de departamento nos Estados Unidos em dia de Black Friday 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Cuidado: Black Friday ou black fraude?

Enviando Comentário Fechar :/