Em entrevista ao canal Espn, o ex-boxeador contou mais detalhes das suas falcatruas para burlar os exames
Mike Tyson usava pênis falso e urina dos filhos para não cair no antidoping

Não foi a primeira vez que o ex-campeão mundial de boxe falou sobre o tema. Em 2013, ao lançar um livro com sua autobiografia que tem o título Undisputed Truth (Verdade Incontestável), Tyson já tinha revelado sua peripécia. Agora ele contou mais detalhes.

Foi uma confissão corajosa. Em entrevista à emissora norte-americana essa semana, o polêmico lutador, que se envolveu em várias encrencas durante o tempo em que frequentava os ringues, começou explicando que a primeira ideia que teve foi rechaçada pela própria esposa, que o alertou para a ingenuidade da tramoia. "Eu iria usar a urina da minha mulher e então ela disse: 'quando saírem os resultados vão dizer que você está grávido'. Então, melhor usar a urina dos meus filhos", disse para o repórter Herculez Gómez.

Para poder simular que estava colendo o material na frente dos médicos, Tyson contou que usava um pênis de borracha artificial. "Você pega o whizzinator, o pênis falso. A maioria dos homens, mesmo que sejam homossexuais, não se sentem cômodos quando lhes mostram o pênis. Assim, eles viravam-se e eu usava o falso", declarou o pugilista.

A tramoia teria ocorrido em 2000. Uma das lutas foi contra o norte-americano Lou Savarese, realizada na Escócia.

O whizzinator é um produto anunciado como um "simulador de sexo molhado", usado para simular a micção masculina em fantasias sexuais. Ao invés de expelir urina natural, os usuários usam outros líquidos no pênis artificial.


Mais falcatruas do pugilista

 

Em 1986, Mike Tyson começou a fazer história no boxe ao ser tornar o mais jovem pugilista campeão mundial dos pesos pesados com apenas 20 anos. Mas a brilhante carreira com 50 vitórias em 58 combates também foi marcada por polêmicas, como a histórica luta contra Evander Holyfield.

No dia 28 de junho de 1997, os grandes rivais se enfrentaram pela segunda vez. Holyfield havia derrotado Tyson um ano antes aplicando uma surra no opositor. Mas Mike saiu das cordas reclamando de cabeçadas que havia levado do adversário. O jeito que ele encontrou para ir à forra foi o pior possível. No terceiro round Tyson mordeu por duas vezes a orelha de Evander e acabou desclassificado pelo juiz.

Uma suspensão de um ano ainda foi aplicada a Mike como punição. O boxeador sofria a segunda interrupção na carreira. Tyson já tinha passado 3 anos em uma cadeia, condenado por estupro. A pena era de 6 anos, mas por bom comportamento ele foi colocado em liberdade depois de cumprir a metade.

Em 2000, em uma de suas últimas lutas, Mike foi flagrado em um exame antidoping. Ele confirmou que havia fumado maconha poucas horas antes de vencer o polonês Andrew Golota por nocaute. Tyson teve que pagar uma multa de 200 mil dólares e ainda foi proibido de lutar durante três meses.

Esse não teria sido o único combate que o nova iorquino lutou "pedrado". Em seu livro ele garante que subiu ao ringue muitas vezes só depois de fumar maconha, como em 2004, ao enfrentar Danny Williams e em 2000, diante de Lou Savarese.

Cinco anos depois, bastante decadente, Tyson se aposentou. Na época ele tinha 39 anos. O declínio do ídolo americano não era apenas técnico. Em agosto de 2003, com uma dívida de US$ 23 milhões, Mike entrou com um pedido de falência. A notícia surpreendeu o mundo, afinal se tratava de um lutador que tinha ganho mais de US$ 300 milhões em caches e prêmios.

No ano passado, Mike Tyson anunciou que com a legalização do uso medicinal e recreativo da maconha no estado da Califórnia estava lançado um projeto para o cultivo da erva com mais dois sócios. O "Rancho Tyson" tem 160 mil metros quadrados, o equivalente a 22 campos de futebol, e uma produção em escala industrial. O local foi projetado ainda com um centro de abastecimento e hidratação para o cultivo, estação de extração, fábrica e um anfiteatro para ser usado em palestras e estudos sobre os benefícios da canábis.

Em julho, Tyson divulgou que o empreendimento californiano estava se tornando também um resort com espaço para festivais de música e hotel de luxo. Os frequentadores terão uma "experiência holística" em torno do consumo da substância.

"Eu lutei por mais de 20 anos e tenho tantas dores. Se eu não tivesse a canábis, não sei o que aconteceria", afirmou Tyson ao falar sobre a fazenda.

Sem se importar com o que pensam sobre ele, no livro autobiográfico Mike fez também revelações sobre sua vida pessoal. A gastança de dinheiro, o vício com cocaína e marijuana em grande parte da sua carreira e as noitadas de sexo são relatadas sem pudor.

Em um dos capítulos o rei dos ringues conta que pegou o ator Brad Pitt na cama com sua ex-mulher, a atriz Robin Givens. Os dois ficaram casados durante um ano e meio, entre 1988 e 1989, e estavam em processo de divórcio quando o flagrante aconteceu, mas segundo Tyson eles ainda mantinham relações sexuais "com frequência" quando Mike encontrou Givens e Brad namorando. "O Brad me implorou: 'não me bata, não me bata, só estávamos repassando um script, mais nada", contou Tyson.

Sobre o período de três anos que passou preso após ser condenado por estupro, ele garante que, mesmo na cadeia, tinha uma atividade sexual tão intensa que se sentia cansado até para ir à academia malhar.

Mike descreve como "insaciável" o seu apetite por álcool e drogas, recordando que tinha 11 anos quando experimentou cocaína pela primeira vez.


Os flagrados com pênis de mentira

 

Outros atletas e investigados por suposto uso de substâncias entorpecentes também já usaram o pênis artificial para fraudar testes antidoping. Um deles foi o corredor italiano David Licciardi, um fundista (corrida de longa distância) que enfrentou um processo por ter utilizando um pênis falso para burlar o exame.

O atleta da Força Aérea Italiana, detentor do melhor tempo de seu país nos 300m com obstáculos, nos 5 mil metros e nos 10 mil metros, foi descoberto por juízes após vencer uma prova de 10km em Molfetta.

O pênis falso utilizado por Licciardi ficava conectado a uma bolsa com urina sem substâncias ilegais, mas o truque falhou. Ao descobrirem o corredor com o dispositivo Whizzinator, os juízes informaram ao Comitê Olímpico italiano. David teve que enfrentar uma audiência disciplinar na Primeira Seção do Tribunal Nacional Antidoping.

Licciardi foi punido com uma suspensão de três anos de todas as competições. A namorada dele, Sara Malpetti, que confessou ter colaborado com a farsa comprando o pênis de mentira, também acabou penalizada. Sara foi proibida de "frequentar instalações esportivas na Itália, espaços para atletas e funcionários, de participar de eventos esportivos ou eventos realizados no território nacional" durante três anos e seis meses.

Essa semana foi revelado um caso parecido com as fraudes de Tyson e Licciardi. O ex-jogador americano de basquete Donell Cooper se aposentou no auge de sua carreira no ano passado, aos 27 anos de idade, alegando motivos familiares. Ultimamente ele atuava pelo AS Monaco, da França.

A embromação de Cooper foi desmascarada pela Federação Internacional de Basquete que expôs o verdadeiro motivo. O jogador foi pego em um exame antidoping de forma constrangedora. O teste de urina apontou gravidez. Donell havia usado um material coletado pela sua namorada. O casal não sabia que ela estava grávida.

Cooper foi punido com uma pena de dois anos de gancho, que iria até 2020. Como já pensava em se aposentar, o jogador resolveu abandonar as quadras em definitivo.

Em 2014, o armador havia feito um requerimento para se tornar cidadão bósnio e atuar pela seleção do país do sudeste europeu.

 

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Mike Tyson usava pênis falso e urina dos filhos para não cair no antidoping

Enviando Comentário Fechar :/