A revolução do mundo digital ameaça a existência de empresas centenárias que já faturaram bilhões de dólares
Nikon deixa o Brasil e revela o retrato da decadência de grandes negócios

Acabaram as atividades da Nikon no Brasil. A empresa anunciou hoje que chegou ao fim da linha em seus negócios no país, dando sequência a debandada da gigante japonesa por aqui que começou no ano passado quando deixou de vender equipamentos fotográficos. Em um comunicado em seu site oficial, a empresa deu a seguinte explicação:

A Nikon do Brasil comunica o encerramento de todas as suas atividades no país.

Em relação à Nikon Instruments no Brasil, as linhas completas de produtos de microscopia, bem como de acessórios e assistência técnica, continuarão a ser oferecidas no país pela empresa BioLab Brasil. Os outros distribuidores para microscópios educacionais e clínicos, Spectrun, Hoven e PMH, permanecerão inalterados e continuarão a atender seus clientes normalmente[1].

Para produtos fotográficos com garantias válidas, é importante enfatizar que os reparos continuarão sendo honrados pelo Grupo Nikon. A assistência técnica e as solicitações de reparo de produtos em garantia deverão ser realizadas pelo site da Nikon do Brasil por meio de formulário online². Equipamentos fotográficos e acessórios que estejam fora de garantia terão os serviços de assistência técnica assumidos diretamente pela marca nos Estados Unidos.

No ano passado a Nikon já havia ameaçado pular fora de tudo, colocando fim a um mega investimento dos asiáticos no Brasil. A empresa abriu uma filial em São Paulo em 2011, com um investimento de 10 milhões de dólares.  Mas, pelo jeito, os japoneses não perceberam, ou melhor, demoraram a sacar o declínio do comércio de fotografias com o advento das câmeras digitais nos smartphones.

Desde que os celulares passaram a ser equipados com lentes as pessoas mudaram seus hábitos. Poucos ainda andam dispostos a gastar dinheiro adquirindo máquinas fotográficas com assessórios caros.

Fundada em 1917, a Nikon atingiu o seu ápice em 2006, quando registrou um faturamento de 730.9 bilhões de yens. Mas, como quase todo negócio que não se recicla ou se reinventa de acordo com as tendências, os japoneses parecem não ter percebido logo que o mundo das fotografias mudou com o advento das tecnologias digitais. A robusta Kodak já tinha dado com os burros n´água por não ter despertado para a quase extinção do filme e da impressão fotográfica.

Uma boa explicação sobre esse fenômeno é dada pelo CEO da Samba Tech, Gustavo Caetano: "a fotografia não é nada mais, nada menos, do que o registro de emoção, exatamente o que a maioria dos usuários do Instagram fazem". Assim é muito mais fácil, rápido, prático e econômico se mostrar para quem você quer.

Aqui fica um bom recado para as empresas que persistem em não mudar, apostando que muitas novidades vão passar logo e que as pessoas retornarão a hábitos antigos. Cuidado para o seu filme também não queimar.  

 

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Nikon deixa o Brasil e revela o retrato da decadência de grandes negócios

Já temos 3 comentário(s). DEIXE O SEU :)
José Arnaldo Castro

José Arnaldo Castro

O fator "fotografia" foi muito bem analisado aqui. Outra gigante que não se modernizou, conforme notícias publicadas, é a Kodak. Dizem que está falida por bater sempre na tecla do "filme", pese ter modelos digitais. Estamos vivendo um mundo em que as respostas às demandas têm que ser imediatas. Pode-se citar aqui também a antiga máquina de escrever. No caso da Nikon, em matéria de fotografia com filmes era insuperável. Seus dois modelos principais eram o top para fotógrafos de reportagens. Pesadas, mas robustas. O sistema não irá acabar em um prazo previsível, mas esse dia chegará. Temos que considerar mais ainda. A Cannon está tomando o lugar da Nikon. Excelente máquina, robusta também e com preços variando de acordo com o gosto e a necessidade do cliente. É lamentável que a Nikon tenha saído do Brasil. Falo com experiência. Sempre tive vontade de ter uma Nikon, ainda no tempo de filmes, mas seus modelos eram muito caros e meu tipo de fotografia era e é muito amador. Portanto, já era. Lamento
★★★★★DIA 23.01.19 11h58RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Cláudia Romualdo

Cláudia Romualdo

Parabéns pela lúcida análise! Isso também se aplica a diversas profissões que, simplesmente, estão deixando de existir. O futuro, que às vezes parece algo muito distante de nós, na verdade, está logo ali!
★★★★★DIA 17.09.18 20h16RESPONDER
Guilherme Mendes
Enviando Comentário Fechar :/
Guilherme Mendes

Guilherme Mendes

Obrigado por mandar sua mensagem para o blog. Continue nos prestigiando. Abraço

★★★★★DIA 17.09.18 20h28RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/