Com 64 anos, o dono da Microsoft retomou a liderança graças a um contrato com o Pentágono e ao aumento das ações de sua empresa
Nunca menospreze Bill Gates. De novo ele é o homem mais rico do mundo

Tem que tirar o chapéu para esse senhor. Desde que Bill perdeu a primeira posição para Jeff Bezos, da Amazon, no ano passado, analistas de mercado vêm profetizando que era o fim de uma hegemonia. Mas pela segunda vez as previsões deram errado.

Em 2013, quando Steve Ballmer anunciou a aposentadoria da presidência da Microsoft, a gigante americana de computadores foi rotulada com uma empresa que estava prestes a viver a decadência. O principal motivo era a criação de Gates não ter mergulhado rapidamente no mundo das nuvens.

Seis anos depois dá para afirmar com todas as letras que eles estavam errados. A Microsoft continua faturando bilhões todos os anos. No mês passado, a companhia fechou um contrato de US$ 10 bilhões com o Pentágono justamente para serviços de computação de nuvem. A grande rival Amazon, apontada como a favorita, perdeu essa queda de braço.

Os reflexos dessa vitória puderam ser vistos em pouco tempo. O super contrato com o governo americano fez as ações da Microsoft cresceram ainda mais em um ótimo ano. Apenas nas últimas três semanas, os papéis da empresa tiveram uma alta de 6,1%, acumulando uma valorização de quase 48% em 2019. Com isso, o valor de mercado da companhia chegou a 1,14 trilhão de dólares.

A consequência no bolso do cofundador da Microsoft não poderia ter sido melhor. Segundo a Bloomberg, que acompanha o ranking dos bilionários, a fortuna de Bill engordou em mais US$ 19,5 bilhões esse ano. Gates tem agora um patrimônio de US$ 110 bilhões, enquanto o CEO da Amazon é dono de US$ 108,7 bilhões.

A inversão na posição dos dois homens mais ricos do mundo se deve ainda ao fato de Bezos, que há dois anos comandava a lista, ter sofrido uma queda de US$ 16,2 bilhões nos dez primeiros meses.

Em outubro, Gates já havia voltado ao primeiro lugar do ranking por algumas horas quando a Amazon divulgou os fracos resultados do terceiro trimestre. O negócio de Jeff perdeu quase US$ 7 bilhões em valor de mercado.

 

Quem tem mais garrafa vazia para vender

 

O magnata Bill Gates entrou pela primeira vez na lista de bilionários da Forbes em 1987. Na época, o americano de Seattle tinha um patrimônio líquido de US$ 1,25 bilhão.

Nas duas últimas décadas a grana de Gates se multiplicou de uma forma espantosa, e quanto mais rico ele ficava, mais se mostrava também generoso. Desde que criou em 1994 uma entidade filantrópica que tem com sua esposa chamada Fundação Bill & Melinda Gates, o ricaço já doou US$ 35 bilhões.

Jeff, que tem 55 anos, ingressou no clube dos milionários das Forbes em 1988, um ano depois que a Amazon foi aberta. O patrimônio líquido era US$ 1,6 bilhão. No ano passado, Bezos chegou ao topo com patrimônio de US$ 160 bilhões, desbancando Gates que liderava desde 1994.

Há quatro meses Jeff se divorciou de MacKenzie Bezos. A ex-esposa ficou com 4% de participação na Amazon. O valor é estimado em US$ 38 bilhões.

Depois que a Bloomberg divulgou a mais recente lista dos homens mais ricos do mundo na sexta-feira, o "top 10" têm agora pela ordem Bill Gates, Jeff Bezos, Bernard Arnault, Warren Buffett, Mark Zuckerberg, Amancio Ortega, Larry Page, Sergey Brin, Charles Koch e Julia Koch.

O índice da Bloomberg é atualizado diariamente após o fechamento dos mercados nos EUA. O site rastreia a riqueza das 500 pessoas mais ricas do mundo.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Nunca menospreze Bill Gates. De novo ele é o homem mais rico do mundo

Enviando Comentário Fechar :/