Acidentes com armários caindo em cima de crianças são muito comuns. Quando eu tinha 8 anos, por muito pouco, não tive um fim trágico. Hoje, sinto uma grande dor pela fatalidade com o querido Lucca
O drama do goleiro Elisson poderia ser dos meus pais

A notícia da morte do menino Lucca Guilherme foi confirmada na tarde dessa quinta-feira. O pai, o goleiro Elisson, postou em rede social o desfecho da angústia da família. Foi o fim de um pesadelo gigante que a família começou a viver no sábado quando o garoto se acidentou em um sítio, em Betim. Mas ainda vem muita dor pela frente. Afinal, os pais não foram feitos para enterrar seus filhos. A lei natural da vida conspira para os mais velhos irem na frente, e não suas crias. Por muito pouco meus pais não viveram um drama parecido por causa de uma arte que eu cometi durante umas férias de julho. 

Eu tinha oito anos e minha irmã caçula seis. Era um período de recesso das aulas na escola. Nós morávamos nessa época em um apartamento de classe média no centro de Juiz de Fora. O imóvel era simples, tinha três quartos que acomodavam as seis pessoas da família. Durante uma manhã, brincando com a Marise, fui até o armário da cozinha buscar Nescau e açúcar. De forma ingênua, sem a mínima maldade, assim como as crianças dessa faixa etária se comportam, resolvi "escalar" o tal móvel até que minhas mãos alcançassem as portas superiores. Para você entender, entre a parte de baixo e a parte de cima do armário tinha um vão intermediário que era aberto. Foi esse espaço que imaginei ser o ponto que eu necessitava subir para finalmente ter acesso a latinha do achocolatado. Ao apoiar o joelho direito ali, o móvel inclinou para frente e em menos de dois segundos desabou na minha direção. Além de alguns mantimentos, todas as louças da casa ficavam guardadas nesse armário. Na queda, várias caíram batendo em minha cabeça. Não sobrou quase nada. 

Mas aquele foi meu dia de sorte. Sorte porque a cozinha era estreita e as paredes laterais ficavam bem próximas. Quando o armário inclinou em direção ao chão a parte de cima parou na parede que ficava em frente. Hoje sei que fui salvo por uma parede há 47 anos. 

Meu xará, filho do querido Elisson, não teve a minha sorte. Lucca Guilherme era um desses garotos que você se apaixona no primeiro olhar. Nos tempos em que o pai jogava no Cruzeiro, várias vezes ele levou o filhinho ao centro de treinamento. Lucca era muito pequenininho naquela época. Tinha cabelos bem escuros com enormes cachos. Estava sempre com uma carinha boa, dessas de garotinhos que parecem que vão brincar a vida inteira. O pai, agarrado ao filho, muito agarrado, é um grande amigo que fiz no futebol.

 

O drama do goleiro Elisson podia ser dos meus paisFoto: arquivo família/rede social 

 

Quando se convive em um ambiente profissional com muitas pessoas, você precisa saber que provavelmente estamos diante de homens e mulheres que tem comportamentos bem diferentes. Com alguns você vai se identificar mais. Isso é natural em qualquer convivência. Na sala de aula, no seu trabalho e até na sua família você observa facilmente esse tipo de postura. As pessoas se gostam, se tratam bem, mas tem sempre um ou outro que é mais parecido contigo. O Elisson era quase uma exceção na Toca. Todo mundo gosta do "Gato Preto".

 

O drama do goleiro Elisson podia ser dos meus paisFoto: arquivo família/rede social 

 

Tenho duas filhas e não consigo imaginar o tamanho da dor que sentiria se uma delas fosse à minha frente. Tenho certeza de que seria insuportável. 

Amigo Elisson, não tenho palavras nesse momento. Acho que sua fé é o que vai te confortar. Já li sua postagem falando sobre a partida do querido Lucca várias vezes e de novo você nos dá outra lição, até a de enfrentar o momento mais difícil da vida. 

Obrigado por você me ensinar tanto. O nosso Lucca merecia ter o seu dia de sorte.

 

O drama do goleiro Elisson podia ser dos meus paisFoto: arquivo família/rede social 

 

O drama do goleiro Elisson podia ser dos meus paisFoto: arquivo família/rede social

Veja também

Olá, deixe seu comentário para O drama do goleiro Elisson poderia ser dos meus pais

Já temos 8 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Luci Meire Fonseca

Luci Meire Fonseca

Consigo imaginar o que a família está passando. Só quem já passou por um luto de um filho sabe. Só Deus pra acalmar essa dor.
★★★★★DIA 19.11.18 00h25RESPONDER
Guilherme Mendes
Enviando Comentário Fechar :/
Guilherme Mendes

Guilherme Mendes

Luci, imagino que a dor deve ser imensurável. Que todos os pais encontrem na fé a força para seguir em frente. Obrigado por visitar o nosso blog e volte sempre. Será um prazer ter a sua leitura dos nossos textos. 

★★★★★DIA 19.11.18 13h48RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Gilmar Caldeira Duarte

Gilmar Caldeira Duarte

Nossa...... Lamentavel.... Sem palavras....
★★★★★DIA 16.11.18 14h31RESPONDER
Guilherme Mendes
Enviando Comentário Fechar :/
Guilherme Mendes

Guilherme Mendes

Muito triste, Gilmar. Que o Elisson conseguia reuniar muita força para seguir em frente. Obrigado por prestigiar o nosso blog. Abraço

★★★★★DIA 16.11.18 15h01RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Fabiola Colares

Fabiola Colares

Emocionante esse seu texto, "primo"
Parabéns! ❤
★★★★★DIA 16.11.18 13h37RESPONDER
Guilherme Mendes
Enviando Comentário Fechar :/
Guilherme Mendes

Guilherme Mendes

Oi, prima! Muito obrigado por visitar o blog. Volte sempre. 

★★★★★DIA 16.11.18 13h55RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Lucia Luz

Lucia Luz

Quanta força em meio a dor. Quanta lição!!!
★★★★★DIA 16.11.18 13h16RESPONDER
Guilherme Mendes
Enviando Comentário Fechar :/
Guilherme Mendes

Guilherme Mendes

Lúcia, esse amigo não mereceia passar por tamanha dor. Que ele encontre forças para seguir em frente. Obrigado por vistar o nosso blog. Volte sempre. 

★★★★★DIA 16.11.18 13h57RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/