Um dos endereços mais procurados por turistas no mundo quer ser reconhecido pela sua verdadeira identidade
O fim de um país conhecido como Holanda

Há anos os moradores das 12 províncias que formam a chamada "Holanda" se sentem incomodados com a situação. O desejo deles é que o mundo os trate pelo verdadeiro nome: Países Baixos.

A origem dessa confusão começou no século XVII, na época das expansões marítimas. Quem mandava no comércio local eram as Holandas do Norte e do Sul. Os Países Baixos ainda não estavam formados.

Graças ao comércio e as navegações, instituiu-se o nome Holanda para designar a região.

"Isso aconteceu porque essas duas províncias dominaram por muito tempo a história do país. Lá ficam os grandes portos e os navios que viajavam para o exterior carregavam consigo o nome da região", disse o holandês Martinus Feliz Mertens, assessor da Embaixada dos Países Baixos no Brasil, ao site Super Interessante.

O que fez mudar a geografia, e consequentemente o nome, foi uma arrojada obra de engenharia. A construção de grandes diques proporcionou que antigas áreas inundadas se tornassem habitáveis ou em condições de plantio.

Com a utilização de moinhos de vento, foi possível drenar enormes campos alagados. As grandes pás, impulsionadas pelos ventos, geravam a energia que era usada para acionar as bombas de sucção. Assim, foi sendo ampliado o território.

 

 

A criação oficial dos Países Baixos aconteceu em 1815, durante o Congresso de Viena.

Em janeiro de 1953, porém, os antigos diques que protegiam o sudoeste dos Países Baixos se romperam após uma violenta tempestade, combinada com marés altas. A consequência foi um acidente gigantesco. Cerca de 150 mil hectares de terra foram inundados e mil e oitocentas pessoas morreram. Para recuperar o país foi desenvolvido o Plano Delta, com o objetivo de reforçar e aumentar os diques. Outra medida foi a construção de barragens para proteger a baixa altitude em relação ao mar.

Para você entender melhor (se ainda não conhece sobre a topografia da região), cerca de um quarto do território está abaixo do nível médio do mar e mais da metade das terras apenas um metro acima do nível dos oceanos. O país é formado ainda pelas 12 províncias europeias, incluindo as duas Holandas, que até hoje têm o mesmo nome. É daí que vem o nome oficial.

Ainda fazem parte do Reino dos Países Baixos as colônias caribenhas de Aruba, Curaçao e São Martinho. Todas tem seu governo próprio, mas as responsabilidades nas áreas de Relações Exteriores e Defesa são compartilhadas.

Agora, o governo quer que o país seja reconhecido pelo seu legítimo nome. Para isso, foi lançada uma campanha de marketing pelos Ministérios e instituições desportivas e culturais nas principais cidades. A ideia é eliminar o uso do nome "Holanda".

O site oficial de turismo já anunciou que deixará de usar Holland.com, e a seleção de futebol adotará apenas Países Baixos em suas divulgações. O termo "Holanda" está proibido. Na Olimpíada de Tóquio, em 2020, a estratégia será a mesma. É assim que o esporte vai contribuir. Se você quer saber se a cor laranja corre o risco de ser substituída, saiba que não. Ela será mantida como a oficial. 

E não para por aí. Em maio do ano que vem, o tradicional Festival Eurovision, que será sediado na cidade de Rotterdam, estampará o nome de Países Baixos.

 "Três dias e 180 milhões de espectadores é uma oportunidade fantástica para a comunicação e marketing", disse Carolien Gehrels, da consultoria Arcadia, em entrevista à Dutch News.

A campanha de marketing quer expandir o turismo para além de Amsterdam, capital atual que fica localizada na província Holanda do Norte.

O turismo é uma das principais atividades econômicas dos Países Baixos, que tem 17 milhões de habitantes. De acordo com informações da consultoria econômica CEIC, em 2017 os visitantes de outras partes do mundo, que foram conhecer a "Holanda", deixaram por lá mais de US$ 20 bilhões (quase R$ 100 bi).

Segundo dados oficiais, a indústria do turismo foi responsável ainda por 761 mil empregos. O setor corresponde a cerca de 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB, ou a soma de todas as riquezas produzidas em um determinado período).

Naquele ano, os Países Baixos receberam 18 milhões de turistas do exterior, a maioria saiu de outras nações europeias, como Alemanha, Bélgica e Reino Unido.

 

Veja também

Olá, deixe seu comentário para O fim de um país conhecido como Holanda

Já temos 1 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Alisson B

Alisson B

Eles não querem ser chamados de países baixos. Querem ser chamados de Nederland (ou Netherlands em inglês).
Países baixos não são especificamente o que chamamos de Holanda. Países baixos incluem a "Holanda", Bélgica, Luxemburgo, e pequenas regiões da Alemanha e França.
★★★☆☆DIA 12.10.19 13h54RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/