Na capital federal, onde os maiores absurdos parecem corriqueiros, até radar tem dado o que falar
Radar registra motorista a 710 km/h em rodovia de Brasília

A velocidade máxima permitida na Estrada Parque Núcleo Bandeirante, mais conhecida como EPNB, está clara nas sinalizações: 60 km/h. Até aqui tudo normal, é assim mesmo na maior parte dos perímetros urbanos.

Se um "desavisado" motorista andar acima de 100 km/h, ou seja, com uma velocidade superior a 50% da máxima permitida, a infração dele será considerada gravíssima. Nesse caso, a multa é de R$ 880,41 mais 7 pontos na carteira.

O valor é alto porque esse tipo de infração é "agravada" com índice 3, o que significa que o valor da multa por excesso de velocidade (R$ 293,47) é multiplicado pelo fator 3. A carteira ainda pode ser suspensa imediatamente.

No caso de Brasília, a trapalhada da ocorrência também caiu em uma multiplicação de equívocos. O primeiro deles, claro, diz respeito à velocidade de 710 km/h. O segundo seria o valor da cobrança. A condutora terá que pagar R$ 134,00 pela infração. Por último, o documento diz ainda que a velocidade permitida para a via é de 600 km/h.

 

Radar registra motorista a 710 km/h em rodovia de BrasíliaImagem TV Globo 

 

A motorista mais "rápida" do mundo

 

A servidora pública Lana Albuquerque comprou um carro usado há dois anos. O modelo é um Elantra, da montadora Hyundai. Ela admitiu em entrevista ao jornal Bom Dia DF, da Rede Globo, que investiu em um veículo com "motor potente".

Ok. Vamos admitir que Lana, de 34 anos, seja uma condutora "pé pesado". Mesmo assim, por mais que ela se esforçasse, jamais chegaria perto da velocidade surreal da multa.

De acordo com o velocímetro do painel do veículo, um Elantra pode atingir a 240 km/h de velocidade final. Mesmo que ela estivesse em uma grande reta, o sedã coreano com 178 cavalos de potência, não conseguiria alcançar sequer a metade da velocidade (305 km/h) aferida no pardal.

Agora, vamos admitir que o processo de cobrança seja automatizado, desde a captura de imagem do carro em alta velocidade até o envio do boleto para a condutora. A pergunta que fica é a seguinte: em momento algum, nenhum funcionário do DER e do Detran fizeram qualquer análise do que estava sendo gerado?

Se tem um mínimo de participação humana no processo, seria óbvio que se desconfiasse que algo estava errado. Mas não, a multa chegou desse jeito para a servidora pública. Outro absurdo é ninguém ter reparado que a impressão da infração diz que a velocidade máxima na estrada é de 600 km/h.

Lana contou que a multa foi aplicada há quase um ano, no dia 28 de outubro de 2018, mas só agora ela percebeu. "Achei estranho porque o documento do IPVA 2019 não chegou, então fui consultar no site do Detran e me deparei com a surpresa de que meu carro estaria a 710 km/h na EPNB", narrou a servidora.

A motorista admite que possa ter passado pelo radar acelerando mais do que devia, mas nem perto do que o equipamento de monitoramento de trânsito registrou. 

"Certamente posso ter passado um pouquinho acima da velocidade da via, porém, o meu carro ainda não é um avião", brincou.

O que provavelmente fez com que Lana não tenha tomado conhecimento da multa há mais tempo foi uma mudança de endereço. Como já venceu o prazo de recurso, ela decidiu pagar a infração.

 

Radar registra motorista a 710 km/h em rodovia de BrasíliaImagem TV Globo

 

Diante da situação inusitada, a funcionária pública postou o boleto em uma rede social, e para seu espanto surgiram outros casos sui generis.

"Eu coloquei nas redes sociais e muita gente comentou que também passou por isso. Então deve ser um problema no aparelho de medição ou até mesmo no sistema", disse Lana.

O motorista de aplicativo Rogério Henrique Thomaz viveu uma experiência parecida. Ele recebeu uma multa de R$ 195,23 por atingir uma velocidade de 960 km/h. O registro foi feito no dia 10 de outubro do ano passado, na Estrada Parque Dom Bosco (EPDB). Em uma conta simples, é fácil perceber que a suposta velocidade máxima da via também aparece 10 vezes maior do que o limite: 700 km/h "Eu tenho um carro 1.0 e ele não atinge essa velocidade. Multiplicaram demais esse valor. Infelizmente, passou da data de recorrer. Mas, se preciso for, vou entrar na Justiça", declarou ao site Uol.

Em nota, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) – responsável pela rodovia – informa que "não encontrou erro na notificação". Já o Departamento de Trânsito confirmou que a multa apareceu em seus computadores, mas afirmou que "a infração foi registrada em uma rodovia distrital, portanto o lançamento no sistema não compete ao Detran". Ainda de acordo com o Departamento, "o sistema apenas mostra as informações das autuações cadastradas pelo órgão autuador na Base Nacional de Infrações de Trânsito".

 

O carro mais rápido do mundo

 

No dia 2 setembro de 2019, o homem estabeleceu a maior velocidade já alcançada por um automóvel homologado para andar nas ruas. Uma Bugatti Chiron, preparada especialmente para a quebra de recorde, atingiu a espantosa marca de 490 km/h.

O feito aconteceu na pista de testes da Volkswagen, em uma estrada na Alemanha conhecida como Ehra-Lessien. O percurso tem longas retas e um asfalto perfeito, com certeza, bem diferente das nossas rodovias.

Nem com toda a sofisticação da Bugatti, que tem um motor W16 8.0 quadriturbo de 1.500 cv de potência, os radares alemães conseguiriam flagrar o veículo "voando" a 710 km/h. Em Brasília é possível.

 

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Radar registra motorista a 710 km/h em rodovia de Brasília

Já temos 1 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Ângelo Miranda

Ângelo Miranda

Mas está muito claro que estava a 71 km/h onde a máxima é de 60 km/h.
Que perda de tempo a reportagem.
★★★★★DIA 04.10.19 17h51RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/